19. ago, 2018

O meu dia mundial da fotografia

Sou um bocado despistado em relação a datas. No meu tempo de estudante era um problema fixar datas importantes e históricas que eram matéria de exame. Depois de muitas tentativas e “marranços” lá fixava uma ou outra, mas apenas o tempo suficiente para chegar ao teste. Por vezes nem lá chegavam. Por artes mágicas, aquele sector da memória onde guardava as datas, chegava à prova como que acabado de formatar. Completamente vazio.

Isto para dizer que tenho de anotar todas as datas importantes e cuja conveniência em não esquecer, é máxima. Contorno o problema com o uso de agendas e lembretes como a maioria das pessoas que conheço. Mesmo assim, acontece frequentemente ser lembrado de determinada celebração pelas redes sociais. Foi o que aconteceu no caso do dia mundial da fotografia que se celebra hoje, dia 19 de Agosto.

Depois de avisado, dei comigo a pensar no que já tinha feito fotograficamente neste dia. É sobre isso que hoje escrevo.

Levantei-me relativamente cedo e disposto a terminar dois rolos que tinha iniciados em duas máquina diferentes. Sim, hoje só fotografei em película. Saí para a rua com a velhinha Canon T60 com uma lente 50mm e foco exclusivamente manual, enquanto levava na mochila uma Canon EOS300V com a zoom 24-105 mm, ambas carregadas com película ILFORD FP4 PLUS 125.

Terminei rapidamente a película em falta da T60 com fotografias de rua na romaria d’Agonia e continuei depois com a EOS 300V com o mesmo tema, até consumir também toda a película. Objectivo concluído! 

Como ainda sobrava tempo e tinha levado um rolo de reserva, um ILFORD PANF PLUS 50, arranjei uma sombra e dispus-me a carregar novamente a EOS 300V e continuar a fotografar. Após retirar o rolo exposto e começar a bobinar a nova película, fiquei em alerta quando o contador marcou 40 fotos disponíveis onde só deveria ter 36. Logo de seguida o símbolo da bateria ficou intermitente. Bolas! Será que fiquei sem bateria? É possível, mas… 40 fotos? O rolo é de 36! Alguma coisa estava errada e era necessário abrir a máquina para verificar, coisa que não podia fazer debaixo de um sol tórrido de Agosto. Acabei por voltar para casa mais cedo que o esperado.

Uma vez na “câmara escura” mais propriamente numa casa de banho interior, com cuidados adicionais para que não entre luz por lado algum, abri a máquina e com todo o cuidado, tentei pelo tacto perceber se o filme tinha sido bobinado ou não. Sim, tinha, e o problema era ter-se desprendido do cartucho de origem, ou seja, no momento não havia forma de o puxar novamente para dentro. 

Fechei novamente o filme na máquina enquanto pensava numa solução, atendendo que precisava de sair da câmara escura e que pensaria melhor sob a luz do dia. Ocorreu-me então que do projecto Pinhole tinha guardado alguns cartuchos vazios para uma qualquer eventualidade. Se conseguisse prender e rebobinar o filme manualmente num desses, estava o problema resolvido.

Assim fiz. Desmontei um dos ditos cartuchos vazios, visualizei e memorizei previamente muito bem os movimentos que precisava fazer e depois, totalmente às escuras, abri a máquina, engatei o filme solto no carreto interior, introduzi o carreto com o filme preso no cartucho metálico e seguidamente, com paciência, enrolei manualmente toda a película sem esquecer de deixar a ponta de fora. Finalmente, apliquei a tampa que sela todo o conjunto, tornando-o estanque à luz.

Montei então o cartucho adaptado novamente na máquina, fechei a tampa e bobinei o filme. Desta vez, o contador parou nas 36 exposições disponíveis. Trabalho concluído com sucesso!

Amanhã, provavelmente, vou expor a totalidade do filme. 

Reconheço que não é uma grande história. Tem pouca acção, pouco suspense e ainda estou longe de ver as fotos que estão latentes nos dois rolos terminados. Por outro lado, superei com sucesso um pequeno percalço e considero que de uma forma muito positiva, celebrei dia da fotografia.

 

Significado de "Latente"

Imagem latente é uma imagem que foi gravada por um processo químico em chapa ou filme fotográfico sensibilizado pela ação da luz, e que só vem a ficar visível depois de revelada em um banho apropriado. (https://www.significados.com.br/latente/)