21. mai, 2017

O regresso da Pinhole

No final do projecto “Pinhole - Um passo atrás na técnica fotográfica” não tinha intenção de continuar a utilizar a pequena máquina de cartão e a minha passagem por este processo deveria ter ficado por ali. Contudo, apesar da decisão tomada havia um sentimento de perda, de desperdício de tempo e conhecimento. Não sentia que era hora de abandonar esta técnica, antes pelo contrário, ainda havia muito a fazer. 

Mais tarde, encontrei um conjunto de peças que se encaixavam perfeitamente numa máquina com os recursos perfeitos para usar este modo de fotografar e quem segue de perto a minha actividade, já verificou o reaparecimento da galeria “Pinhole”.

A fotografia estenopeica vai continuar a fazer parte da minha actividade e as alterações de hardware em relação às fotos anteriores, serão as seguintes:

- A máquina deixa de ser construída em cartolina e passa a ser uma Canon EOS300.

- A contagem do tempo deixa de ser feita pelo relógio de pulso ou mentalmente e passa a ser definida na velocidade de obturação da própria máquina (entre 1 e os 30 segundos).

- O obturador, deixa de ser controlado por um tampa em cartolina de difícil uso e passa a ser conseguido através de um comando Canon RS-60E3.

- O avanço da película, deixa de ser manual (e as vezes que me esqueci de a avançar) para passar a ser feita automaticamente após o fecho do obturador.

- O estenopo (furo “pinhole” por onde passa a luz), deixa de ser artesanalmente construído em chapa de uma lata de cerveja e passa a ser um “Olga HPL-C 0,25mm”.

 Os melhoramentos são vários mas, uma vez que o processo se mantém inalterado, os resultados serão exactamente os mesmos. O que varia então? A facilidade e a precisão com que alguma tarefas passam a ser feitas.

O primeiro rolo já está na máquina e as primeiras fotos experimentais já estão feitas, mas os resultados… esses ainda demorarão algum tempo a fazer-se visíveis.