15. mar, 2015

Da minha terra à terra

Sebastião Salgado é um nome incontornável e uma referência na fotografia do nosso tempo. Se tem dúvidas, faça uma pesquisa no Google e escolha o separador das imagens. O resultado obtido ao inserir este nome é arrebatador. Arrisque-se a experimentar.

Quando o livro “Da minha terra à terra” me chegou à mão, não me questionei se valeria o preço pedido, meti-o imediatamente debaixo do braço com a absoluta certeza de que poderia não trazer mais nenhum, mas o livro do Sebastião Salgado não ficaria na prateleira daquela libraria.

Estava convencido que iria desvendar alguma das suas técnicas, algum truque menos evidente ao comum dos fotógrafos e que alguma coisa haveria de aprender com o seu livro. Na verdade, aprendi uma série de coisas, embora não propriamente sobre fotografia. Neste livro ele conta a sua história. Como se cruzou com a fotografia e como decidiu abandonar o curso que tinha escolhido para se dedicar exclusivamente a fotografar. Fala da sua vida ao longo de 70 anos, fez 71 a 8 de Fevereiro passado, fala da sua querida esposa Lélia e dos seus filhos, um deles portador de trissomia 21, fala da forma como passou a olhar a Terra e como as suas viagens mudaram a sua forma de ver.

No final do seu livro, Sebastião termina dizendo que “A fotografia não é um activismo, não é uma profissão. É a minha vida. Adoro fotografia, adoro fotografar, estar com a câmara na mão, fazer o meu enquadramento, brincar com a luz. Adoro conviver com as pessoas, observar as comunidades, e agora, os animais, as árvores, as pedras. A minha fotografia é tudo isto, e não posso dizer que são decisões racionais que me levam a olhar para isto ou para aquilo. É algo que vem de dentro de mim. O desejo constante de fotografar leva-me a voltar a partir. A descobrir outros lugares. Procurar outras imagens. Tirar sempre novas fotografias.”

Termino aconselhando a leitura, não pela técnica, mas pelo conhecimento da forma como um profissional fora de série pensa e age.

Para saber mais sobre Sebastião Salgado, consultar www.amazonasimages.com