25. mai, 2014

Congelar o tempo

O tempo passa tão rápido, que embrenhados nas nossas mais variadas tarefas diárias nem damos pela sua passagem. Só somos dele alertados quando alguma coisa fora da rotina nos bate á porta, seja o aniversário de um familiar, uma data mais especial que é relembrada ou uma simples foto que nos vem á mão e com ela, um sem número de recordações ou sentimentos passados. Só nessas alturas parece que abrandamos o suficiente e pensamos, não só no acontecimento que nos é recordado, mas também como foi possível que nos tenha escapado a contagem temporal.

- Já passaram tantos anos… e quem diz tantos, diz um ou vinte, consoante o acontecimento em causa.

A fotografia tem a capacidade de fixar os momentos, guardando-os inalterados para sempre e, quer o façamos propositadamente ou não, ao fotografar estamos a criar uma sucessão de momentos congelados que podem ser valiosos daqui a um ano, quatro, vinte ou mais anos.

O importante desta pequena reflexão é que se não fotografamos os momentos de hoje, não teremos recordações amanhã, por isso, mãos à obra e deixemos que seja o próprio tempo a decidir o que realmente foi bem fotografado e passou a ser valioso.