13. mar, 2014

Cópias de segurança

12/01/2013 - É oficial, morreu mais um disco rígido. Com mais esta morte “morreram” também todas as informações nele guardadas, fotos, músicas, links, programas, documentos de texto, folhas de cálculo, pdf´s e outros arquivos que não vem para o caso referenciar. Cerca de 80 GB de dados, alguns de valor sentimental, como é o caso das fotos de família.

Sabemos que nada é eterno, mas continuamos a insistir e a acreditar que a “má sorte” de uma falha destas só acontece ao vizinho e depois, ainda ficamos frequentemente surpreendidos quando ela nos bate à porta, sem que tenhamos tempo de fazer nada. Nesse exacto momento tudo o que lá estava, já era.

Mesmo com um disco rígido morto, ainda é possível extrair-lhe os dados, mas isso exige o trabalho de especialistas e custa bastante caro, pelo que a melhor opção é fazer cópias de segurança frequentemente, a fim de manter os seus dados a salvo de uma falha no sistema de armazenamento.

Fica aqui o aviso e não se lembrem apenas de Santa Bárbara quando troveja. Na era digital em que estamos, a prevenção é muito importante e neste caso, estar prevenido é o mesmo que garantir um duplicado fiel a onde recorrer, quando necessário.

Como me sinto depois disto tudo? Bem! Eu tinha cópia de segurança!